Quinta-feira, 28 de Maio de 2009

SUPLICO

eilshemafternoon.jpg image by thidarat2006 

 Imagem Internet / Salvador Dalí

 

 

Sim Suplico!
E vou dar voz á súplica,
Na minha forma de dizer,
Na minha maneira de sentir.
 
E sei – :
 
Tudo é teu,
Tudo te pertence,
Não deixes
Que te tirem a alegria,
O teu estar no mundo
E o meu amor por ti.
 
Não permitas que isso aconteça!
 
Caminhante esquecido
Num local sem fim.
 
Acredita no simbolismo
De um mundo mais puro,
Procura um tempo presente
E vai mais longe…
Procura um tempo futuro.
 
E deixa que à superfície
De ti próprio,
Venham os sonhos
E os anseios
E luz aos teus pensamentos.
 
Ampara-te á minha força
Mas lentamente,
Como tu sabes,
Deixa-me e continua só…
 
Não voltes para mim
O teu olhar…
Eu não vou chorar,
Não vou clamar,
Não vou reter
O teu caminhar!
 
Fico –:
 
Olhando o horizonte, ao longe,
Brilhando como o Sol
De outras eras,
Outras gerações.
 
Mas sei –:
 
 
Este é o Sol
Da tua própria vida.
 
E faço deste momento
Em que te vejo
Reflectido no que escrevo,
 
- Um tempo meu e teu –
 
Ele significa felicidade,
 
Vamos dividi-lo
Com outros caminhantes
 
E deixamos de ser
Criaturas Errantes!
 
 
 
Do livro: “Não Sei de Ti “
De Maria Luísa Adães
 

 

publicado por M.Luísa Adães às 10:38
link do post | comentar | ver comentários (46) | favorito
|
Quinta-feira, 21 de Maio de 2009

E ESPERO

 

 

 

 Imagem Internet/ Salvador Dalí / Atemporal

 

 
O avião pousa no chão,
Fatal como um relógio
Que conta o nosso tempo.
 
Eu olho o firmamento,
Onde te vais encontrar
E não me podes levar…
 
Como posso aceitar,
Este tempo que vai passar
Junto a mim…
 
Tão junto, tão perto
Que o vejo,
Como se fosse gente.
 
Tu vais lentamente,
Não olhas o que fica
E eu não quero ficar.
 
É loucura ser assim?
Como posso deixar
De ser louca,
Se te amo tanto.
 
Que interessam as palavras
Neste instante?
Basta o sentimento
Pungente,
Eloquente,
Nesta forma de dar
Completa ou não,
Medida ou desmedida.
 
Não importa,
Não conta,
Nada conta,
Só tu contas!
 
O nosso amor conta,
A ânsia da ausência
Da partida, conta.
 
E se tudo conta…
E conta!
Parto contigo,
 
É pouco o tempo
Que nos resta!
 
A tarde quente
Desce, lentamente,
A hora aproxima.
 
Tu estás envolto em mim
No pensamento,
Mas a partida é certa.
 
O avião desce brando
E vai subir num instante
E eu fico olhando…
 
As lágrimas lavam os olhos,
Não deixo o olhar fugir,
Mas tens de partir
 
E eu vou ficar!
…É esta a nossa Vida,
 
Só me resta aceitar!
 
 
Maria luísa O. M. Adães
 
publicado por M.Luísa Adães às 09:37
link do post | comentar | ver comentários (70) | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Maio de 2009

SINTO A TUA FALTA

 

 Imagem Internet/ Salvador Dalí / I always remember you!

 

 
Sinto a tua falta! 
Ainda estás comigo
E eu sinto a tua falta,
 
Tão pouco tempo falta
Talvez não dê para contar
E eu sinto a tua falta,
 
Numa saudade
Fora do tempo
Atemporal
 
Fora do meu tempo,
Fora do teu tempo,
Fora do teu estar,
Fora do meu estar,
Fora do nosso amor,
Fora da alegria,
Fora do nosso medo de cantar
A nostalgia do teu afago
Ao amar,
Da tua ausência,
Onde precisas de estar.
 
E espero,
Numa espera antecipada
Sentir a tua volta
À minha volta,
Num abraço que não cansa
E desnuda
O sentir de esperança.
 
Ainda não partiste
E eu sinto a tua falta,
Ainda estás comigo
E eu sinto a tua falta
E comigo continuas
E eu sinto a tua falta.
 
Mas de repente partes
E eu não faço parte
Dessa partida
 
Tu tens de ir,
Eu não posso ir contigo.
Falta-me tudo…
O tempo,
A hora certa,
O comum
Das pessoas comuns,
 
Mas ainda estás comigo
E eu sinto a tua falta!
 
E resolvo partir contigo
Esquecer o tempo,
Esquecer a Gente,
Esquecer o relógio a contar
 
E corro ao teu encontro,
Subo as escadas
Onde me aguardas,
Olhas e sorris
E eu louca
Esquecida de tudo,
Subo ao teu encontro.
 
E ainda sinto a tua falta!
 
Meu amor, meu marido, meu amante!
 
Maria Luísa Adães
  
publicado por M.Luísa Adães às 14:58
link do post | comentar | ver comentários (83) | favorito
|
Sábado, 9 de Maio de 2009

FORMA DE VIVER

 

 Imagem Internet/ Salvador Dalí

 

 
 
Vivo dessa ilusão
Desse quadro que pintei
Para poder olhar
Sempre que estou
Convicta de que
Nada tenho e nada sou!
 
Olho o quadro,
Acredito nele
E em solidão caminho
Um caminho desencantado,
Mas no quadro
O caminho tem flores
E ar perfumado.
 
É uma ilusão
Pintada por mim
Numa forma de esquecer
Que nada sou!
 
Confesso –:
Tudo quanto escrevo
Não me pertence,
Não é o meu mundo,
Mas o meu desânimo
Que não esquece
O lugar onde tropecei
Um dia
E fiquei olhando,
Sem saber que ver
Sem saber que fazer.
 
Esta é a verdade
A outra, a sombra derradeira
De um destino
Difícil de cumprir.
 
Chorem comigo,
Lamentem o que escrevo,
Mas deixem que me perca
E me encontre,
Escreva e deixe de escrever,
Para escrever de novo
Os meus contos e os sonhos
Deste instante, meu e teu!
 
Que abismo profundo se abriu
Aos meus pés,
Olho o cimo
Muito ao cimo
E não posso subir,
Não tenho ajuda.
 
Grito bem alto
Ninguém me ouve…
É a minha realidade
Fantasmagórica
Partida aos pedaços,
Alguns perdidos
E não os posso colar,
Aos meus membros
Esquecidos,
Entorpecidos,
Por aqui e por ali…
 
Mas olho o quadro
Que pintei
Com tanto esforço
E reconheço-me no fundo
Abstracto do meu sentir
 
E esqueço tudo
Quanto é mau
E recolho os pedaços
Do meu corpo
E sou igual
A mim mesma,
 
Não há diferença…
Ou há diferença?
 
Sim, há diferença
Não sei quem sou!...
 
 
 
Maria Luísa Adães
 
 

 

publicado por M.Luísa Adães às 12:46
link do post | comentar | ver comentários (56) | favorito
|
Sexta-feira, 1 de Maio de 2009

O CORO

 

 Imagem Internet/ Salvador Dalí/ Simbolismo

 

 

 
 
O Coro cantava
Desiludido,
Mas cantava
Uma canção de prece
Ao mais Alto
E suplicava.
 
Mas não sei se acreditava!
 
O Coro proferia
Palavras complexas,
Ninguém percebia
Essas palavras,
Mas todos ouviam
Num silêncio que matava.
 
Não sei se acreditava!
 
Continuou a cantar,
A mudar as vozes
Desse cantar, a murmurar
Levantava e baixava
O tom da melodia
E não sorria…
 
Não sei se o Coro acreditava!
 
Eu ouvia,
Tanto quanto podia,
Mas não entendia
A melodia
Que o Coro entoava
 
E não sei, se eu acreditava!
 
Mas o coro não parava
A melodia
Que nada dizia
E o tom entristecia
E me parecia…
 
- O Coro não sabia
O que dizia.
Não sabia…
 
Faltava vida
Faltava força
Faltava encanto
Faltava louvor
E o espanto
De quem entoava
Aquele canto,
Estranho
Difícil
Sem encanto.
 
E o Coro
Não tinha força
Para dizer:
- Eu não acredito neste canto!
 
As pessoas esforçavam-se
Por entender o Coro,
Ao mesmo tempo
A uma voz.
 
O tempo passava,
Pessoas curvavam
E eu olhava,
Tentava perceber
Ser amável,
Mas o Coro
Não estava comigo,
Nem com aqueles
Que o escutavam
 
E soube o que já sabia,
O Coro não acreditava
No que dizia!
 
Mas todos se esforçavam
No entender da melodia
Que o Coro tentava entoar
E não podia…
Por não acreditar
No que dizia!
 
Maria Luísa Adães
 
 

  

publicado por M.Luísa Adães às 10:38
link do post | comentar | ver comentários (49) | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.posts recentes

. ROUBO

. Beijos/ Novo Ano Feliz

. BEIJOS

. Cantei!

. Oferta

. 11 de Setembro

. Oferta/ Evanir

. Oferta, a Maria luísa Adã...

. Cortesia de : Poesias do ...

. Três Rosas

. Oferta/ Maria/ Espanha

. Facebook/ Foto: A World o...

. Oferta/ Las cumbres del O...

. Oferta

. Pablo Neruda

. Agradecimento

. Prelúdio

. Oferta/ Novembro de 2012

. Poema sem nome

. Prémio Dardos/ 2012

. Saudade

. Juventude

. Jogos Olimpicos

. Amo!

. Oferta : www.estoyatulad...

. Bertold Brecht

. Decepcion ...

. Das Trevas para a Luz

. Primavera

. O Tempo

.favorito

. Whitney Houston

. FOGO

. NOITE

. Meu Amigo

. SEDE

. VIDA

. NUA

. Nascer e Viver

. REALIZAR

. ROSA IMORTAL


Selo do prémio dardos Oferta:-http//tintasepinceis.blogs.sapo.pt



Familia Maldonado /Brasão