Terça-feira, 30 de Outubro de 2007

OUTONO

 

Tudo passa e se renova.

Não há hora derradeira e final.

Há, apenas, a mudança da Vida … O passar de Gerações.

Tu ficas!...

Apenas muda o cambiante das cores e o Vento traz uma canção diferente … E o Mar fica gritante e dorido; adivinha a mudança.

As formigas recolhem ao celeiro. Não as vejo caminhando nas pequenas estradas, feitas por elas.

As cigarras deixaram de cantar … não têm casa nem sonhos a realizar.

E conhecendo este Mundo, vivendo dentro Dele, sinto a Verdade sem nuances – apenas a Verdade Real – mais um Verão passou;

O OUTONO voltou …

 

Tons dourados espalhados pela Serra, espelhados no Mar.

Aguardo o renascer; o Princípio, o Fim, constantemente renovado e DIZENDO … NÃO HÁ FIM … mas o renovar do Tempo.

 

E ela a Serra mais o Mar e o Vento falam de Amor, cada vez mais, Amor …

Com eles, o Mundo dos Homens liberta-se da dor e da amargura.

 

 

Serra, nada te pode agredir!...

 

publicado por M.Luísa Adães às 12:56
link do post | comentar | favorito
|

VERÃO

 

A Grandeza de Deus transmite-se na metamorfose das Estações.

Espero a Tua vinda; És o meu bordão nesta viagem do tempo.

Neste livro dedicado à Serra, ao Mar, ao Vento e ao Mundo que Os rodeia, quero dar tudo quanto sei e a projecção do que serei.

Em solidão vivo … Aguardo o Teu chamar … e nesta espera assisto à transformação da Natureza e entro num Mundo Real de palavras ditas e sentidas. Numa outra dimensão eu vivo, enquanto escrevo.

 

Sinto no Ar a diferença … O Mar tomou a cor do Infinito, as águas mais azuis e frias, no contraste desta Serra, onde a beleza se mistura ao Milagre do Amor.

As nuvens correm minúsculas e brancas; as cigarras descuidadas, encantadas, cantam; as formigas trabalham apressadas.

Tempo de todos; a nostalgia passou; a alegria voltou; o Verão entrou.

 

Que procuro mais? Se nada encontro igual a este instante sereno e cálido?

Sou – sei – pequena nuvem fragmentada, docemente diluída por um vento quente e suave.

O Vento cantante, desta Serra … deste Mar.

 

publicado por M.Luísa Adães às 12:51
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
|

PRIMAVERA

 

Estou na Serra; na nossa Serra … Nossa Mãe.

Eu e Tu …

Sentimos o perfume das flores; olhamos as árvores e elas apresentam outras cores … mais vivas e alegres.

O Ar à nossa volta é mais leve; o Vento tem uma voz diferente.

Há mais barcos sulcando o mar. Barcos de todos os tamanhos e de todas as cores.

As nuvens correm traçando desenhos ao nosso gosto. Ligeiramente acinzentadas e brancas, como Anjos da Corte de Deus.

Descem da Serra, misturam-se ao Mar.

 

Olhamos o cimo e lá se encontram as Sentinelas, vestidas de outros tons.

Os habitantes da Serra saíram das grutas e retocam as árvores e as flores. Trabalham na beleza da Serra e ela, debruça-se olhando o mar e sente-se brilhante e feminina; e gosta… a juventude está igual a ela própria, reflectida no imenso espelho à sua frente. Fonte da Vida, de limpidez angélica.

 

Sinto-me feliz no descobrir de Tudo, quanto não seria possível ver – sem Ti…

Aquele Amigo diáfano caminha na areia da praia; não foge; flutua nas suas asas da cor do mel e do leite, qual Querubim brincando.

 

E sei! A Primavera voltou … O Inverno passou!...

 

publicado por M.Luísa Adães às 12:50
link do post | comentar | favorito
|

INVERNO

 

Estou sentada nas tuas areias; as ondas do teu mar batem de forma diferente; narram histórias de outras praias …

Têm voz de sofrimento …

 Eu estou à Tua espera!

 Ao longe um barco passa … Lentamente afasta-se e procura outro lugar. Eu ouço a canção só Tua, vinda daquele Mundo misterioso.

Alguém se aproxima … É a projecção da Serra em Ti e o alento em mim.

Os Teus pés afundam-se na areia da praia; suavemente caminhas e sinto um receio, incontido, que Te diluas de forma subtil e não Te veja mais.

O Inverno bate à nossa porta; tudo pode acontecer.

Beleza nas brumas da manhã e no cinzento da tarde.

Ignoras os meus passos, a minha sombra, misturada de outras sombras.

 

O Mundo da Serra esconde-se nas várias grutas, conhecidas e desconhecidas; aguardam o passar do temporal de vozes que gritam e clamam e por vezes, destroem as Almas.

 

 

Fico e espero … Por Ti … Apenas por Ti …

 

publicado por M.Luísa Adães às 12:49
link do post | comentar | favorito
|

ARRÁBIDA

 

Volto, lentamente, o meu olhar para ti

E digo sempre:

Não há nada igual no Mundo,

Esta Serra

Este Mar…

E, por vezes, a canção do Vento.

 

 Eu digo e tu escutas e acreditas em mim…Quanta felicidade me dá! Assim, nos acompanhamos e abolimos a solidão do Mundo.

 

Olhei a Serra

Reparei no Mar

Ouvi o Vento

 

Extasiou-me de beleza

Deixou-me sem respirar

E senti a diferença

Entre esta Serra

E outras Serras

 

E sei!...

Não deixo ESTE LUGAR!...

 

publicado por M.Luísa Adães às 12:45
link do post | comentar | favorito
|

INTRODUÇÃO À SERRA

 

Apresento a Serra, o Mar, o Vento, as criaturas minúsculas habitantes das matas e tudo quanto a circunda.

Tudo é verdadeiro neste contexto em que as personagens se movimentam longe dos olhares humanos.

Elas vivem nesta Serra e nos momentos de tormenta procuram refúgio, bem junto, àquele coração pulsante.

 

Assim, dão Vida de forma plena e simples ao Amor e Harmonia;

Nos caminhos atapetados de mil flores e simbolismos eternos, anunciam a existência de Deus.

Predomínio cativante, terno, belo e poderoso _ O Real e o chamado Irreal _ o Visível e o Invisível _ não menos verdadeiro _ impossível de contestar e difícil de esquecer.

 

Maria Luísa Maldonado

 

 

Numa análise feita pelo Dr. A. Matos Fortuna ele diz:

 

Mais que um trabalho intelectual, este livro Arrábida, Serra, Mar e Vento, corresponde a um, rosário, em toda a extensão e compreensão significativa e simbólica dum rosário de poemas e todos eles, do primeiro ao último, se reportarem à Arrábida e, como Vitorino Nemésio anotou, “A Arrábida não é deste mundo. Depois dos cabreiros, é dos eremitas e dos poetas”.

 

 

Quinta do Anjo – Casal dos Cantos

 

(Parque Natural da Arrábida)

Vésperas de S. Tiago – 2000

 

 

Este Livro encontra-se exposto na Biblioteca do “Convento da Arrábida” com autorização da “Fundação do Oriente”.

Obrigada,

Maria Luísa.

 

publicado por M.Luísa Adães às 12:23
link do post | comentar | favorito
|

OS SETE DEGRAUS - SÍNTESE

 

Tomo a liberdade de terminar o resumo, de algumas partes deste Livro que nos aparece com o título, “OS SETE DEGRAUS.

O Livro principia por uma Descida ao fundo de uma gruta de sete degraus;

Entra num plano labiríntico quando da Subida e procura regressar à Serra Mãe – Ponto de partida – local de chegada.

Caminha no Mundo do Sonho à Luz do Sentir e testemunha acontecimentos vividos ou por viver – faz-se, assim, transportar a uma outra DIMENSÃO. Talvez mais suave ou mais agreste … depende do entender daquele que se der ao esforço, de o ler.

 

Os SETE DEGRAUS falam de uma literatura aberta ao mundo que procura não se exilar do contexto do mundo.

Aceita a Verdade e o Mito – e faz do Mito a maior de todas as verdades e de todas as virtudes.”

Obrigada,

 

Maria Luísa Adães

publicado por M.Luísa Adães às 11:39
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.links

.Março 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.arquivos

. Março 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Junho 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.posts recentes

. ROUBO

. Beijos/ Novo Ano Feliz

. BEIJOS

. Cantei!

. Oferta

. 11 de Setembro

. Oferta/ Evanir

. Oferta, a Maria luísa Adã...

. Cortesia de : Poesias do ...

. Três Rosas

. Oferta/ Maria/ Espanha

. Facebook/ Foto: A World o...

. Oferta/ Las cumbres del O...

. Oferta

. Pablo Neruda

. Agradecimento

. Prelúdio

. Oferta/ Novembro de 2012

. Poema sem nome

. Prémio Dardos/ 2012

. Saudade

. Juventude

. Jogos Olimpicos

. Amo!

. Oferta : www.estoyatulad...

. Bertold Brecht

. Decepcion ...

. Das Trevas para a Luz

. Primavera

. O Tempo

.favorito

. Whitney Houston

. FOGO

. NOITE

. Meu Amigo

. SEDE

. VIDA

. NUA

. Nascer e Viver

. REALIZAR

. ROSA IMORTAL


Selo do prémio dardos Oferta:-http//tintasepinceis.blogs.sapo.pt



Familia Maldonado /Brasão